Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Sustentabilidade das zonas de proteção ambiental (zpa’s), utilizando a pegada ecológica da área construída da cidade de Natal-RN
Anselmo Francisco da Silva, Leci Martins Menezes Reis, Valdenildo Pedro da Silva

Última alteração: 2012-08-08

Resumo


A cidade de Natal no decorrer de algumas décadas tem sido fortemente afetada por um intenso processo de expansão urbana. Tal processo, infelizmente, tem gerado distintos problemas de ordem, ou caráter, social e ambiental nessa cidade. Porém, diante disso, às zonas de proteção ambiental que também podem ser denominadas de áreas bioprodutivas, em razão de terem a capacidade de fornecer matéria e energia e de absorver os dejetos gerados pela sociedade local estão resistindo a esta forte pressão urbana. Assim, o trabalho tem o objetivo de avaliar o nível de sustentabilidade das zonas de proteção ambiental, utilizando a pegada ecológica (ecological footprint) da área construída da cidade de Natal-RN. Desse modo, a pesquisa aconteceu através de um estudo de caso e, sobretudo, por meio de um levantamento de dados secundários desenvolvido na Secretária de Meio Ambiente e Urbanismo dessa cidade. Por último, aplicou-se a pesquisa descritiva, exploratória e bibliográfica. Portanto, conclui-se que as zonas de proteção ambiental encontram-se insustentáveis, já que a pegada ecológica da área construída foi de 13.051 hectares que, confrontada com a área bioprodutiva de 3.978,90 hectares, resultou em um déficit ecológico de 9.072 hectares. Diante disso, é importante que a sociedade civil trace metas na perspectiva de preservar essas áreas naturais remanescentes no território de Natal, sendo que para isso é indispensável que os natalenses sejam os principais atores, ou articuladores, para a efetivação de tais metas.


Texto completo: PDF