Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Desenvolvimento do Milho Submetido a Diferentes Doses de Esterco Bovino
Varley Andrade Fonseca, Cleiton Fernando Barbosa Brito

Última alteração: 2012-10-17

Resumo


O milho (Zea mays L.) está entre os produtos agrícolas mais importantes do Nordeste brasileiro e, isto se deve a sua participação na formação da renda agrícola, na ocupação de parcelas consideráveis da população rural. O objetivo do presente estudo foi avaliar o desenvolvimento do milho submetido a diferentes doses de esterco bovino. O experimento foi conduzido em casa de vegetação com milho. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado com cinco tratamentos e cinco repetições, totalizando 25 unidades experimentais, sendo os tratamentos compostos de doses de esterco bovino (0; 5; 10; 20; 40 t há-1). Aos 15, 22, 29, 36 e 43 dias após o plantio (DAP) foi mensurada a altura, número de folhas, diâmetro do colmo e área foliar. Observa-se que 15 dias após o plantio (DAP), as variáveis avaliadas não foram afetadas pelas doses de esterco aplicadas. No entanto a partir dos 22 DAP observou-se tendência de aumento das variáveis em relação à testemunha (dose 0). Aos 43 DAP a dose que proporcionou maior desenvolvimento para as variáveis avaliadas foi a de 5 t há-1. Resultados satisfatórios de desenvolvimento da planta de milho são obtidos com quantidades relativamente baixas de esterco bovino, indicando desta forma um sistema produtivo econômico e com menos impacto ao meio ambiente.


Texto completo: PDF