Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Levantamento epidemiológico da hanseníase no Estado de Pernambuco, Brasil, de 2001 a 2010
vagne Melo Oliveira

Última alteração: 2012-08-28

Resumo


A hanseníase é uma doença infectocontagiosa, crônica, curável, causada por um bacilo. Esse bacilo é capaz de infectar grande número de pessoas (alta infectividade), mas poucos adoecem (baixa patogenicidade). Sua capacidade de invasão neural é responsável pelo alto potencial incapacitante da hanseníase. Seu agente etiológico é um bacilo álcool-ácido resistente, intracelular obrigatório, denominado bacilo de Hansen ou Mycobacterium leprae. O homem é reconhecido como única fonte de infecção, embora tenham sido identificados animais naturalmente infectados. Epidemiologicamente, esta doença tem baixa letalidade e baixa mortalidade, podendo ocorrer em qualquer idade, raça ou gênero. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento epidemiológico da hanseníase, no Estado de Pernambuco, durante a série histórica de 2001 a 2010. Para tal, realizou-se a busca de artigos nas bases eletrônicas de dados: SciELO, LILACS e Google Acadêmico, utilizando os seguintes termos: “hanseníase”. Não havendo restrição a data de publicação. Os dados sobre os casos de hanseníase foram coletados no banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Os resultados ilustraram queda significante no coeficiente geral de detecção (CGD) de 1,1 casos/100 mil habitantes ao ano, nos últimos 10 anos. O CGD em 2010 foi de 31,8 casos/100 mil habitantes e para os menores de 15 anos de 12,1 casos/100 mil habitantes, padrão de elevada magnitude. As medidas de vigilância são voltadas ao aumento do percentual de exame de contatos que em 2010 foi regular, com 61,9%. O principal indicador de avaliação da qualidade da atenção e o percentual de cura dos casos diagnosticados, com resultado também regular de 81,9% em 2010. Segundo dados observados, as medidas de vigilância em saúde devem ser voltadas para que haja aumento do percentual de exames para diagnostico prévio e posterior tratamento da doença, evitando maiores complicações.

 


Texto completo: PDF