Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Teste de micronúcleo em Tradescantia pallida aplicado ao biomonitoramento da qualidade do ar na cidade de Itajá-RN, Brasil
Kamilla Karla da Silva, Adriano Soares De Carvalho, Jéssica Nicole Rodrigues Matias, Sylvyo André Morais Medeiros Dias, Marcos Felipe de Oliveira Galvão, Fabio Teixeira Duarte

Última alteração: 2012-11-09

Resumo


O Município de Itajá-RN destaca-se na microrregião do Vale do Açu como maior polo ceramista. As cerâmicas são responsáveis pela produção de diversos materiais destinados à construção civil, dentre eles: tijolos, telhas e lajotas. Um total de 16 indústrias estão alojadas na cidade, produzindo em torno de 188,4 milhões de peças por ano e gerando 75% de empregos da população economicamente ativa local. A atividade ceramista promove deterioração da qualidade do ar, pois ela atua aumentando a quantidade de poluentes oriundos da queima da biomassa para abastecimento dos fornos. O objetivo deste estudo foi analisar o potencial genotóxico do ar de Itajá-RN através do teste de micronúcleo (MN) em Tradescantia pallida. O biomonitoramento foi realizado nos meses de março a junho de 2012. A análise citológica se deu pela contagem mensal do número de MN num grupo aleatório de 300 tétrades por lâmina. Os dados foram submetidos ao teste Mann-Whitney U e análise de correlação de Pearson. Para todos os meses analisados, foi verificado um aumento significativo (p < 0,01) nas frequências de MN quando comparado ao controle negativo. Foram verificadas uma correlação positiva (r = 0,86) entre a frequência de MN e a radiação solar e uma correlação negativa (r = -0,82) entre a frequência de MN e a velocidade dos ventos. Os resultados obtidos para a cidade de Itajá-RN indicaram que os elementos oriundos da queima de madeira para abastecimento dos fornos são capazes de elevar significativamente o número de MN em T. Pallida, sugerindo um maior controle na emissão destes poluentes.

 


Texto completo: PDF