Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Avaliação de mudas de videira propagadas por enxertia em função de diferentes lâminas de canivete
Antonio Mendes de Souza Nascimento, Maria das graças de Souza do Nascimento, Leovando Soares Silva, Helder Cesar dos Santos Pinto, Lariza Luzia Borges Itabaiana, Dayane Coelho dos Santos

Última alteração: 2012-10-19

Resumo


Este trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade de mudas de videira enxertadas com diferentes lâminas de canivetes e verificar qual é o melhor tipo de lâmina para realização dos enxertos. O experimento foi desenvolvido no viveiro de mudas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano no Campus Petrolina Zona Rural, no período de abril a julho de 2012, utilizando-se porta-enxerto IAC-572 ‘Jales’ e o enxerto da cultivar Petite Syrah. O delineamento estatístico foi o inteiramente casualizado com quatro tratamentos e cinco repetições, sendo cada parcela composta por 8 mudas. Os tratamentos  avaliados foram: lâmina reta afiada, lâmina reta cega, lâmina tipo bico de falcão afiada e lâmina curva afiada. Após 60 (sessenta) dias foi analisado o percentual de sobrevivência % ( S ), massa fresca parte aérea, massa seca parte aérea , massa fresca da raiz , massa seca da raiz  e comprimento da raiz (C.R.). O menor percentual de sobrevivência foi registrado com a lâmina reta cega. Com relação a massa fresca da raiz, os resultados estatísticos mostram que não houve diferença entre os tratamentos. Ao término do trabalho concluiu-se que nas condições em que foram conduzidos os experimentos, o tipo de lâmina do canivete não influenciou na qualidade da enxertia da muda de videira. A lamina reta cega não é recomendada para a  enxertia de mudas de videira.

Texto completo: PDF