Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
INFLUÊNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA SOBRE A DIVERSIDADE FITOPLANCTÔNICA NA SUB-BACIA B-1 DO RIO COCÓ, FORTALEZA-CE
Carlos Rodrigo Lima Pinheiro, Cristianne Sousa Bezerra, Raimundo Bemvindo Gomes, Herivanda Gomes de Almeida, Yárina Machado Silva, Francisca Mirian Saldanha Viana

Última alteração: 2012-09-03

Resumo


Considerando os impactos antrópicos a que estão submetidos os ecossistemas hídricos no município de Fortaleza e as alterações na biodiversidade, a sub-bacia B1 do rio Cocó foi tomada como estudo para avaliar a influência da qualidade da água na diversidade de fitoplâncton, principalmente nos dois principais ecossistemas lênticos da sub-bacia que afluem para o riacho Tauape. Foram realizadas determinações físicas (temperatura-Temp, pH, clorofila a - CL“a” e feofitina a - Pheo “a”); químicas (oxigênio dissolvido-OD, alcalinidade total-AlcT, amônia total-NH3-T, fósforo total-PT e ortofosfofato solúvel-OPS) da água e análises qualitativas e quantitativas da diversidade fitoplanctônica. Foram realizadas duas coletas (Nov/2011 e Abr/2012), em 11 pontos georreferenciados, ao longo da sub-bacia, em três horários (9:00h, 12:00h e 15:00h). Para as análises qualitativas, foram coletados 500 mL de amostra com rede de plâncton com malha de 20µm, preservados em formalina tamponada; para as análises quantitativas coletou-se 1000mL, preservado com lugol acético, avaliando-se em câmaras de Sedgewick-Rafter. Na primeira amostragem foram encontradas as seguintes frequências relativas das classes algais: Chlorophyceae (39,43%); Cyanobacteria (38,67%); Bacillariophyceae (17,94%). Na segunda, houve um decréscimo gradual das clorofíceas concomitante ao acréscimo das cianobactérias e bacilariofíceas, revelando freqüências médias de: 31,66%-Chlorophyceae, 43,67%-Cyanobacteria, 21,50%-Bacillariophyceae. As demais classes: Zygnemaphyceae, Euglenophyceae, Chlamydophyceae e Crysophyceae não ultrapassaram os 5% dos táxons avaliados em ambos períodos. Na quantificação a espécie do gênero Aphanocapsa sp foi predominante nos dois períodos, com média >164.000cél/mL e >284.000cél/mL. Do ponto de vista físico e químico as condições ambientais, foram observadas que a temperatura e o pH mantiveram-se elevados e o teor de OD manteve-se baixo, entretanto a alcalinidade total, os macronutrientes e o teor clorofila a decresceram na segunda amostragem. Neste cenário, observa-se claramente maior proliferação de cianobactérias e diatomáceas, com aumento considerável das primeiras, em função do maior arraste de material orgânico a partir da drenagem da bacia.


Texto completo: PDF