Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Argamassa para reforço estrutural com adição de metacaulim
Italo Galvão Silva, José Thadeu Júnior, Edilberto Vitorino Borja

Última alteração: 2012-08-27

Resumo


Este trabalho procura avaliar o desempenho de argamassas para reforço estrutural com adição mineral. Para tanto, foram elaborados três proposições de argamassa com diferentes teores de adição de metacaulim, em substituição ao cimento (5%, 10% e 15%). Realizaram-se ensaios nos estados fluido, de modo a avaliar o comportamento reológico das proposições, e endurecido, para verificar a resistência das mesmas aos 28 dias. Também foi realizado o ensaio para determinação da massa específica na condição saturada seca. Para cada traço de argamassa, foram moldados 6 (seis) corpos-de-prova prismáticos (4 cm x 4 cm x 16 cm). Os resultados referentes à fluidez e consistência revelam que a argamassa com maior teor de adição necessitou de uma maior quantidade de aditivos para atender as características pré-determinadas, o que a tornaria, de um modo geral, inviável para aplicação em obras, já que o aditivo químico é insumo de elevado valor comercial na construção civil. Quantos as demais, todas se adequaram aos parâmetros propostos. No que tange aos ensaios no estado endurecido, concluiu-se que o melhor desempenho quanto à resistência mecânica à compressão foi o da argamassa com teor de adição de 10% em substituição ao cimento e que a menor resistência foi percebida na argamassa com teor de adição de 15% de substituição, muito embora esta ainda tenha superado a resistência da argamassa de referência, produzida sem nenhuma adição, para fins de comparação. Observa-se, dessa forma, que em todas as argamassas com adição de metacaulim, incidiu o efeito microfíller, ou seja, o índice de vazios diminuiu, uma vez que o metacaulim preencheu ou refinou os poros da argamassa, que terminou por adquirir mais densidade e, conseqüentemente, mais resistência.


Texto completo: PDF