Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Regionalização do agronegócio no estado do Tocantins: ordenação do espaço produtivo e sócio-econômico-ambiental
Sabino Pereira da Silva Neto, Alessandra Farias da Silva, Rafael Nunes Garcia, Nadma Talia Lopes Martins, Ademar Roberto Gross Filho, Júlio César de Lucena Araújo

Última alteração: 2012-08-21

Resumo


O desmatamento da Amazônia brasileira tem com principal causa a conversão da floresta em áreas de atividades agropecuárias. Nesse contexto a pecuária apresenta impactos socioeconômicos positivos e impactos ambientais negativos. Dessa forma, é necessário buscar soluções para tornar a pecuária sustentável diante dos múltiplos atores (social, econômico e ambiental) envolvidos nessa atividade. Diante disso, politicas territoriais e setoriais baseadas na regionalização do agronegócio em função do conhecimento dos atores envolvidos nessas atividades podem tornar a pecuária e agricultura da região competitiva e sustentável ambientalmente. Assim o objetivo foi regionalizar o agronegócio do estado do Tocantins em função das suas características produtivas e de sua correlação com os índices sociais, econômicos e ambientais dos seus 139 municípios por meio da análise multivariada e lógica de agrupamento fuzzy k-médias. Foi identificado e delimitado as classes das atividades agropecuárias e suas influências sócio-econômica-ambiental. Por meio da análise multivariada e lógica de agrupamento fuzzy k-médias. A regionalização em função da agropecuária e dos aspectos sócio-econômico-ambiental e definida utilizando-se a análise de componentes principais e a lógica de agrupamento não hierárquica de fuzzy k-médias. Assim o uso desses procedimentos é viável na definição e delimitação de zonas homogêneas dentro do Tocantins. Permitindo assim, o planejamento e desenvolvimento do estado a partir do ordenamento territorial.

Texto completo: PDF