Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
CRESCIMENTO INICIAL DE MUDAS DE PINHÃO MANSO CULTIVADAS EM DIFERENTES SUBSTRATOS
Rogério Oliveira Melo

Última alteração: 2012-08-23

Resumo


O biocombustível é uma importante alternativa não só para um transporte ambientalmente sustentável, mas como forma de desenvolvimento econômico. Dentre as oleaginosas que podem ser cultivadas para produção de biodiesel destaca-se o pinhão manso (Jatropha curcas L.). Sabendo que o substrato influencia na qualidade da muda, o objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento de mudas de pinhão manso produzidas em diferentes substratos. O experimento foi conduzido entre março e maio/2012 nas instalações do CETENE, em Caetés/PE. Foram utilizados 6 tipos de substratos: T1 – solo da região; T2 – pó de casca de coco; T3 – composto comercial (esterco bovino + cama de galinha); T4 – areia lavada + composto comercial; T5 – areia lavada + pó de casca de coco; T6 – composto comercial + pó de casca de coco. Foram avaliados: altura da planta, diâmetro de caule, área foliar, peso fresco e peso seco da parte aérea e das raízes. Os dados foram submetidos ao teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade utilizando o programa ASSISTAT 7.6. Para altura de planta os melhores resultados encontrados foram para T2 e T1 com médias 10,5 cm e 8,7 cm. Para diâmetro de caule, T2 apresentou melhor resultado com média de 1,04 cm. As maiores médias de área foliar foram T1 e T2 com 110,26 cm² e 108,04 cm² respectivamente. O substrato pó de casca de coco apresentou os melhores resultados para peso fresco da parte área, com média 9,63 g. Para o peso seco da parte aérea, T2 foi o melhor tratamento com 2,72 g. Os tratamentos T5 e T6 não apresentaram diferença significativa entre si para todos os parâmetros avaliados. Os tratamentos T3 e T4 não apresentaram germinação após 42 dias de plantio. Assim, os substratos que apresentaram melhor desenvolvimento foram pó de casca de coco e solo da região.

Texto completo: PDF