Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Diagnóstico infraestrutural das propriedades rurais e dos arranjos produtivos da Comunidade do Mendes em Picuí, PB
aracelia azevedo pinheiro, João Paulo de Oliveira Silva, Maria Jeane Dantas dos Santos, José Lucínio de Oliveira Freire

Última alteração: 2012-12-13

Resumo


O Nordeste brasileiro, mesmo estando localizado na região tropical do Globo, a leste da floresta tropical chuvosa da Amazônia e a oeste do oceano Atlântico Tropical, apresenta grandes áreas com clima semiárido, decorrente dos valores relativamente baixos de precipitação que, em algumas áreas são inferiores a 400 mm. Desse modo, a região semiárida apresenta escassez de água, associada a períodos extremos de reduzida precipitação, caracterizando um fenômeno físico denominado seca. A seca é um dos maiores desafios para o desenvolvimento sustentável dessa região, pois causa prejuízos avultados em vários setores da atividade humana, principalmente na agricultura. Ante isso, o objetivo deste trabalho é diagnosticar a infraestrutura das propriedades e analisar, não obstante as estiagens sucessivas a que são submetidos, a prática costumeira dos arranjos produtivos desenvolvidos por agricultores e agricultoras familiares da comunidade do Mendes, situada no município paraibano de Picuí. Na coleta das informações, foram utilizadas as metodologias e ferramentas baseadas no diálogo através do Diagnóstico Rural Participativo (DRP), com a aplicação de entrevistas semiestruturadas, analisando a infraestrutura física e social da Comunidade Mendes e os arranjos produtivos. Conclui-se que, não obstante a não ocorrência de colheitas no ano agrícola de 2012, à época da coleta dos dados as propriedades possuíam suporte forrageiro para os animais e havia uma preocupação com armazenamento de água para o período de maior escassez. As propriedades analisadas possuem infraestrutura física, a exemplo de cisternas, que minorarão os efeitos da escassez hídrica para o homem e animais. Ademais, os agricultores e agricultoras são movidos por uma fé incondicional, levando-os a crer e aguardar por anos bons de inverno que se tornam instigantes para semear as culturas típicas do nordeste paraibano, garantindo a soberania alimentar e elevando a qualidade de vida dos sertanejos.

Texto completo: PDF