Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Quantificação dos Teores de Iodo e Cloreto de Sódio em Sal de Cozinha comercializado em Teresina-PI
Michele Alves de Lima, Sammy Mychelly Carvalho Borges, Laiany Nunes Teixeira, Poliana Brito de Sousa, Manoel de Jesus Marques da Silva, Luís Fernando Meneses de Carvalho

Última alteração: 2012-10-18

Resumo


Objetivou-se com o presente trabalho quantificar os teores de iodo e cloreto de sódio no sal de cozinha de diferentes marcas e confrontar os resultados com a legislação vigente para esse produto. Nas análises foram utilizadas 3 marcas de diferentes sais iodados, identificadas pelas letras A,B e C. A determinação de cloretos de sódio foi realizada através da titulação com Nitrato de Prata a 0,1mol.L-1 e como indicador o Cromato de Potássio a 10%m/v. A  determinação de iodo foi realizada com o tiossulfato de sódio 0,005 mol L-1 utilizando 1mL de amido a 1%m/v, como indicador. Observou-se que entre as três marcas, a C foi a que exibiu menores valores para a quantidade de iodo obtendo-se 6,7 mg/kg. A marca B apresentou 12,34 mg/kg. A marca A é a única que está dentro dos parâmetros  previstos pela legislação em vigor, apresentando 42,32 mg/kg de produto. A legislação aceita a quantidade de 20 a 60mg/kg de iodo como adequado ao sal. Com relação a porcentagem de cloreto de sódio a legislação determina  o limite de 99,19% para sal refinado e para o sal comum, 95,99%. De acordo com os dados, a marca A apresentou 84,47 % de cloreto de sódio, já a marca C exibiu o valor de 99,96%.  A marca B mostrou o teor de 82,13%. Sendo assim, os produtos analisados apresentaram-se fora dos parâmetros permitidos.


Texto completo: PDF