Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Síntese de antioxidantes para aplicação em Biocombustíveis
Hélson Ricardo Falcão

Última alteração: 2012-08-30

Resumo


A maior parte de toda energia utilizada no Brasil e no mundo deriva de fontes fósseis e finitas de combustível, além de serem poluentes, por exemplo, o petróleo. Devido às constantes crises do petróleo e as preocupações ambientais, pesquisadores propuseram diversos meios que diminuem a dependência por combustíveis fósseis e diversifique a matriz energética mundial, além de diminuir o impacto ambiental. O biodiesel surge como substituto promissor dos combustíveis fósseis, sendo um biocombustível derivado de oleaginosas ou gorduras animais composto por ésteres alquílicos que pode substituir total ou parcialmente o diesel em motores ciclodiesel. Entretanto, quando derivado de oleaginosas que apresentam em sua composição química uma quantidade significativa de ácido graxos insaturados, por exemplo, linoléico (C18:2), é susceptível a degradação oxidativa através de reações mediadas por calor e traços de metais, principalmente na presença de oxigênio. Hoje, a maior parte de todo biodiesel produzido no Brasil deriva da soja, que possui em média 55% ácido linoléico (18:2) e 7,5% de ácido linolênico (18:3) em sua composição, os quais podem afetar negativamente a estabilidade do biodiesel. Na busca por inovações para sanar esse problema, nesse trabalho utilizou-se compostos fenólicos, (líquido da castanha de caju – LCC) técnico, submetido à reação eletroquímica em diferentes eletrólitos para testes antioxidantes.

Texto completo: PDF