Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, VII CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação

Tamanho da fonte: 
Ação dos Polissacarídeos Sulfatados da alga verde Caulerpa mexicana em modelos clássicos de dor.
José Gerardo Carneiro, Edfrank Sousa O Vanderlei, Ana Luiza Gomes Quinderé, Arievilo Gurgel Rodrigues, Ianna W Fernandes de Araújo, Norma Maria Barros Benevides

Última alteração: 2012-10-17

Resumo


A nocicepção é alterada nas lesões teciduais, devido à liberação de mediadores inflamatórios a partir de células danificadas. Os polissacarídeos sulfatados são polímeros complexos e heterogêneos formados de unidades repetitivas e rico em radicais sulfatados, que têm sido descritos na literatura como agentes com potencial antinociceptivo. Assim buscamos avaliar a atividade antinociceptivo dos polissacarídeos sulfatados da alga verde Caulerpa mexicana em modelos clássicos de dor, induzidos por agentes químicos e térmicos. As algas foram coletadas na praia de Flecheiras - Trairi - Ce, em agosto de 2011 e transportada ao laboratório CARBOLEC-DBBM-UFC, sendo lavadas com água corrente e seca à sombra, depois triturada em moinho elétrico e armazenada a temperatura ambiente e ao abrigo da luz. Os polissacarídeos sulfatados foram extraídos pelo método enzimático. A avaliação da atividade antinociceptiva se deu através dos ensaios de Formalina a 1% e Placa Quente. O tratamento dos animais com polissacarídeos sulfatados (5; 10 ou 20 mg kg-1;i.v.), 30 min. antes do estímulo químico (formalina 1%), não reduziu o tempo de lambedura da pata na primeira fase do ensaio, na segunda fase, os resultados mostram ação analgésica significativa (p<0,001) na dose de 10 (88,6%; 12,06 ± 7,78 mL) e 20 (98,5%; 6,37 ± 5,51 mL) de forma dose dependente. Não foi observado ação antinocicepção no ensaio da placa quente, ou seja, nenhuma das doses foi capaz de induzir aumento do período de latência em nenhum dos intervalos avaliados. Sugerimos que o PS da alga verde Caulerpa mexicana tem atividade antinociceptiva de ação periférica e que pode está relacionada com a liberação de mediadores inflamatórios.

Texto completo: PDF